DilmaCoin 2.0

splash.png

O que é a Dilmacoin?

É uma criptomoeda que funciona exatamente igual ao Bitcoin. A razão pela qual ela foi criada é porque o Bitcoin é muito caro, o que afasta as pessoas de terem um bitcoin. A DilmaCoin foi criada para ser uma moeda alternativa ao BTC no brasil de custo mais acessivel, onde todos os brasileiros possam ter DilmaCoin, e entender o como as criptomoedas funcionam.

Quem criou a Dilmacoin ?

A resposta é ninguém. Ela não possui criador, pois ela é somente uma cópia do Bitcoin com o nome e algumas outras pequenas coisas alteradas. Coisa que qualquer programador poderia fazer em apenas 4 horas de trabalho. Portanto o criador da Dilmacoin é o mesmo criador do Bitcoin, ou seja, Satoshi Nakamoto, que é nada mais do que um codinome para alguém que deseja se manter anônimo.

E como funciona uma criptomoeda?

Uma analogia simples para explicar o como funciona é comparando as criptomoedas ao sistema bancário convencional

No sistema bancário convencional, você possui um número de conta bancária que você informa as pessoas que desejam enviar dinheiro para você. Junto com esta conta bancária você possui uma senha, cujo a pessoa que tiver acesso a esta senha, poderá movimentar a conta bancária. Todos os registros de movimentação entre as contas bancárias estão armazenados no seu banco, que por sua vez é regulado e administrado pelo banco central, que por sua vez tem a capacidade de criar dinheiro na economia ou regular a quantidade de dinheiro usando-se das taxas de juros.

Já nas criptomoedas, você possui uma carteira (equivalente a conta bancária), onde esta carteira possui duas informações importantes, o endereço público dela (equivalente número da sua conta bancária) e a chave privada dela (equivalente a senha). Para você receber moedas, você informa o endereço público da sua carteira, e para você movimentar ela, você precisa ter a senha dela (que normalmente é armazenada dentro de um arquivo no seu computador pessoal). Todos os registros de movimentação entre as carteiras estão armazenados na internet em um banco de dados distribuído (tipo as músicas e filmes que estão no torrent). As criptomoedas não possuem um banco central, ao invés disso, elas possuem uma rede de computadores que estão constantemente resolvendo problemas matemtáticos difíceis para então terem o privilégio de registrar as transações financeiras entre as carteiras, processo também conhecido como mineração, e como recompensa por ter resolvido estes desafios matemáticos difíceis, estes mineradores podem emitir uma quantidade de criptomoedas no mercado, eliminando assim a necessidade de um banco central emissor da moeda.

Veja a tabela comparativa abaixo:

Sistema convencional

Sistema de Cripto moedas

Emissor da moeda

Somente o Banco Central.

Mineradores (basicamente qualquer pessoa com um computador com programa de mineração instalado).

Onde armazenar as moedas

Bancos (Itaú, Bradesco…).

Um programa instalado no seu computador chamado de “DilmaCoin”. No caso dos bitcoins, você precisa instalar o programa chamado “Bitcoin” para poder armazenar.

Abertura de contas

Precisa de documentos e burocracia com o seu banco.

Qualquer um com internet pode instalar o programa.

Fechamentos de contas

Esqueça… nem tente….

Apagar o programa do seu computador.

Acessar sua conta pelo navegador?

Sim, internet banking do seu banco.

Existem websites que permitem que você tenha uma carteira online.

No caso da DilmaCoin, ainda não tem.

No caso do Bitcoin você pode criar sua conta em:

http://blockchain.info/

A vantagem destes serviços é que você não precisa instalar nada em seu computador.

Receber dinheiro/moedas

Você precisa informar o seu banco, sua agência, sua conta bancária e seu CPF para a pessoa que irá lhe pagar.

Você precisa informar apenas o endereço público da sua carteira.

Para enviar dinheiro/moedas

Você precisa informar a senha do seu banco para o seu banco, ou usar um cartão de crédito para enviar dinheiro para comércios. O problema é colocar o seu número de cartão de crédito na internet de forma segura. 🙂

Tudo o que você precisa é o endereço público da pessoa que deseja receber e ter acesso a sua carteira.

Governo pode confiscar

Todo o dinheiro nos bancos são passíveis de confisco pelo Banco Central.

Não. Para movimentar a sua carteira, você obrigatóriamente precisa da sua chave privada que está segura dentro do seu computador.

Na verdade, se você perder a sua chave privada, você não terá a quem recorrer, e todas as suas moedas serão perdidas.

Inflação

Controlada pelo governo. Eles pelo menos tentam controlar. 🙂

Não. A quantidade de moedas a serem criadas será pré definida nas definições da cripto-moeda. No caso da DilmaCoin, só existirão 50 milhões.

No caso do Bitcoin, só existirão 21 milhões.

Tarifas e custos

Cada banco cobra aquilo o que ele quer.

Existe uma tarifa pré-definida de 0,001 para cada transação feita.

Permite estorno do dinheiro

Sim.

Não, uma vez enviado o valor, é impossível ter o estorno dele.

Anônimo

Não para dinheiro em banco.
Sim para dinheiro na cueca.

Não é atoa que todos os políticos corruptos, traficantes de drogas, e sonegadores de impostos preferem o uso do dinheiro vivo.

Todas as movimentações de todas as carteiras são públicas, para todo mundo ver.

Para se manter anônimo, basta que você não informe o número da sua carteira para ninguém, e na hora de receber uma nova quantia, basta que você crie uma nova carteira.

Você pode ter quantas carteiras quiser. Não existe custo para ter uma carteira.

Diferenças entre o Bitcoin e a DilmaCoin

Nome (denominação)

DilmaCoin (HUE)

Bitcoin (BTC)

Quantidade total

~ 50 milhões

21 milhões

Algorítimo de criptografia usado

X11

coletânea de 11 algorítimos de criptografia

SHA-256

Tempo de confirmação de cada bloco

1 minuto

10 minutos

Mineração

Só é possível com computador próprio.

Impossível minerar usando computador próprio.

Necessário investimento de pelo menos 10 mil reais para comprar um equipamento especifico que só minera Bitcoins, e que tem uma vida útil de menos de 4 meses, e consome muita eletricidade.

Custo

Não é negociada em nenhuma bolsa.

Cerca de R$ 1500 reais por Bitcoin.

Data de criação

23/03/2014

29/01/2009

Criador

DilmaCoin (codinome para o autor que quer manter o anonimato)

Satoshi Nakamoto (codinome para o autor que quer manter o anonimato)

#foratemer #voltadilma #foigolpe #lula2018

16 comentários sobre “DilmaCoin 2.0”

  1. caracas gostei ja tenho estou minerando agora e minha velocidade ta 1 mhash muito bom vou acumular depois vai que cola essa moeda vai ficar bacana

  2. Cara fantástica ideia deveria mudar o nome para BRLCoin que eu teria coragem de pagar muitíssimo bem por moeda sem medo de ser feliz mas devido aos escândalos não estou muito motivado mas queria sabe da comunidade como entrar na comunidade da dilmacoin? estou muito curioso. por favor entre em contato para todos aqueles que apoiam a ideia de termos uma cripto moeda brasileira entrem em contato gente vamos criar uma comunidade brasileira forte que sabe esta moeda n’ao e o canal? rogeriobarreto@flic.me

  3. gostei muito, a um mês montei uma mineradora, e busco parceiros tenho local, links espaço, para possíveis investidores em maquinas de mineraçao, e busco parceiros para projetos que envolva o assunto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *